Estável

Permaneço estável. Respeitando minhas vontades. Nunca mais fiz o que não queria. Copa do mundo por exemplo é aqui em casa, tranquila e calma, vendo o jogo por todos os ângulos que eu gosto, no canal que eu quero, acompanhada de uma, duas ou três pessoas no máximo. Pessoas de quem eu gosto de verdade. Sem gritos (a não ser os meus), sem perigos de dirigir depois das loucuras da torcida, sem incômodo! Uma maravilha!!! Tá certo que parece coisa de gente deprimida, mas vamos combinar que deprimente mesmo era o que eu fazia há 4 anos atrás e nas copas anteriores.

Eu ia a todas as programações obrigatórias para que me considerassem normal: Copas do Mundo, Festas Juninas, Natais, Anos Novos… Mas concluí que era esse esforço para ser normal que me piorava. Copa, por exemplo: via os jogos no meio da maior algazarra, às vezes perdia os lances importantes, era obrigada a aturar o Galvão Bueno ou qualquer outra coisa que a democracia do local decidisse por mim, ficava com aquela cara de festa e na realidade eu não estava muito confortável, tampouco feliz!

Agora é diferente: assisto no SporTV que apesar de ser igualmente da Globo, possui comentaristas muito mais agradáveis e a imagem tem a mesma boa qualidade; nenhum bêbado me incomoda; não perco nenhum lance; posso ficar deitada, confortável, ou mesmo de pé pulando, posso dar cambalhota ou permencer impassível porque não tem ninguém aqui enquanto assisto aos jogos para avaliar se eu sou normal.

O mesmo ocorre com as festividades: não vou mais às festas que as pessoas acham que são as melhores. Se eu prefiro uma pequena festa com pouca gente eu vou e deixo de ir a outras mais badaladas, ou ao contrário, posso ir a um imenso baile carnavalesco acompanhada de quem eu quiser. Chega de dar satisfação à família, à sociedade, aos outros!

E assim vou mantendo minha estabilidade, porque também, quando eu deixava de ler um bom livro pra ficar bebendo e saracutiando sem vontade apenas para as pessoas acreditarem que eu sou normal o prejuízo era total: perdia a oportunidade de estar comigo e bem para ficar à mercê dos comentários dos outros sobre meu humor, minha aparência etc, e continuava não sendo normal do mesmo jeito. Agora a diferença é que se eu sou considerada “anormal” pelo menos estou de bem comigo!

É isso, pessoal… Ah, e eu posso também gostar do Maradona e vibrar com o time da Argentina sem medo de apanhar (brincadeirinha…)

EMDR: uma revolução!

Tive a oportunidade de experimentar essa nova modalidade de terapia que promete revolucionar o campo da psicologia – a EMDR. A sigla se refere aos termos em inglês: Eye Movement Desensitization and Reprocessing (a tradução seria algo como Desensibilização e Reprocessamento pelo Movimento dos Olhos). É uma técnica que trabalha estímulos bilaterais (estimula os dois hemisférios cerebrais) e visa eliminar traumas, lembranças negativas em busca de cura para as mais diversas mazelas da mente.

Eu fiz uma sessão e confesso que saí dela mais leve, mais entusiasmada. Vi os efeitos nos meus sonhos, nas minhas reações, nas mudanças de pensamento. Aconteceram episódios com a minha mãe, por exemplo, onde antes eu teria dado mais importância a certas palavras dela, mas não tive o menor impulso de reação. Costumava ser muito reativa à minha família, ficava cheia de raiva etc. Minha mãe que já vinha num caminho de me execrar e me tirar tudo o que pudesse de mim, finalmente deu o golpe final: disse que ia me tirar do plano de saúde para colocar a filha da minha irmã. Se fosse antigamente eu daria um escândalo do tipo: ” ah, já não está satisfeita com todo o mal que me causou e agora ainda quer que eu morra sem assistência médica?!!” Coisas desse tipo. Que nada. Eu simplesmente disse: ok.

Meu irmão também veio tirar satisfações de coisas do passado e eu disse apenas: ah tá… E pronto! Simples assim! Sem esforço, sem precisar ficar me lembrando do que eu prometi fazer ou não fazer da minha vida. Muito libertador! Eu recomendo!!!

Um, dois, três… testando!

Opa, parece que o microfone está funcionando! Então vamos lá!!!

Gente, consegui sair da lama. Desejo que seja por bom tempo! Voltei a querer viver. Isso é uma maravilha! Estou trabalhando com bastante produtividade, reorganizando minhas relações pessoais, reparando danos causados às pessoas (é, vocês acham que a gente é de fino trato? quando surtamos incomodamos muita gente, magoamos, fazemos coisas que não devíamos), a grande diferença é que dessa vez eu fiz as reparações do fundo do coração. Antes eu até fazia, mas era mais para aliviar a consciência.

Como tem sido bom me aliviar do peso que venho carregando há tantas décadas! Já sou uma senhora e andava com um balaio cheio de mágoas da infância, lembranças inúteis e que não me ajudavam em nada, apenas me enchiam de ódio e de depressão (às vezes as duas coisas ao mesmo tempo e sempre uma ou outra). Vou confessar os meus segredos:

  1. Estou com 2 psicólogos: uma junguiana e outro cognitivo comportamental. Loucura? De jeito nenhum. A primeira teve um papel fundamental para que eu percebesse o tamanho da carga que eu carregava. Me hipnotizou e me fez resolver uma série de coisas em sonhos, além de abrir um ralo dentro de mim, de onde brotaram todos os piores sentimentos humanos (tive crises de fúria, ódio mortal, vontade de matar o povo da minha família, para dar apenas alguns exemplos). O outro psicólogo é ótimo pra me trazer de volta. Então a mulher me levou às profundezas do Hades e o homem foi até o subetrrâneo para me tirar de lá. É bom conhecer os nossos infernos, mas é fundamental ter quem nos lembre que também temos um paraíso para desfrutar aqui e agora.
  2. Estou com uma psiquiatra nova, nova para mim e nova de idade. Jovem. Formei uma crença: os jovens estão mais atualizados em termos de psiquiatria. Os mais antigos por vezes têm vícios e medos, conceitos arraigados e podem até nos fazer muito mal. O último, um senhor bondoso, quase me enlouqueceu de vez brincando de mudar a dose das medicações. Se eu ficava melhor, ele diminuía, se eu ficava pior, ele aumentava. Uma gangorra insuportável que me levou à emergência psiquiátrica onde encontrei a deusa que me cuida atualmente. (acho que andei vendo muito filme esses dias, Fúria de Titãs me inspirou sobremaneira!).
  3. Persisti. Não deixei de fazer tudo o que estava a meu alcance. É trabalhoso, demora, é intermitente – não sei dizer por quanto tempo vou permanecer bem, como já disse, desejo que seja por muito tempo. Mas tenho que manter em mente que há a possibilidade de que eu volte para a lama. E que terei que estar disposta a começar tudo de novo. Vale a pena, insista!
  4. Busquei ajuda espiritual. Não vem ao caso explicitar que tipo de ajuda. Sei que contribuiu.

Enfim… Devemos lutar muito, modificar atitudes e hábitos, ter fé (seja lá como for, mesmo que seja a fé nos avanços da ciência), praticarmos a humildade de reparar danos, cultivar a persistência, e se tivermos dinheiro investir muito em saúde mental, sempre!