Para que servem os rótulos?

Minha crescente vontade de ler e escrever me prova que eu estava certa: precisava aumentar a dosagem dos meus remédios. Quando se trata de saúde mental os médicos podem ser bastante confusos, aliás, não só os médicos, todos os envolvidos conosco.

Qual a dificuldade em prescrever medicação a uma pessoa que está sentindo de fato os efeitos neuroquímicos de uma desordem psiquiátrica? Como eu já havia feito na postagem anterior, uma simples analogia faz com que possamos perceber o absurdo a que fui submetida nos últimos dias. Nenhum ser em sã consciência vai atender uma pessoa com febre e dizer que ela deve ir para casa e esperar até a semana que vem para ver se precisa realmente de uma medicação. Oras… Mesmo sabendo que febre é um sintoma, antes que a pessoa tenha um colapso, vão receitar um antipirético. Certo? Ok, eu também estava com um sintoma. Um não, vários. E eu deveria passar dias com insônia, irritabilidade, pensamento acelerado e confuso, oscilações de todas as naturezas, para depois fazer um check up e tentar descobrir as causas do meu sofrimento?

Ca%¨&¨$%#lho… Desde 2001 venho tentando descobrir as causas. Não sei o que tenho. Posso até lançar uma enquete, talvez o pessoal que lê esse blog consiga dar um diagnóstico melhor do que os que me atendem ao vivo e em cores. Vejam as opções:

a) tenho transtorno de personalidade borderline

b) tenho transtorno afetivo bipolar

c) tenho transtorno de ansiedade com depressão mista

d) tenho outra coisa que ninguém ainda descobriu

e) tenho todas as anteriores, em comorbidade

f) não tenho nada e apenas estou em busca de um rótulo.

O psicanalista que me atendeu falou que meu grande problema é que eu estou em busca de um rótulo… Minha justificativa para ele foi que a depender do problema o tratamento vai variar, não é mesmo pessoal? Para que servem os rótulos? Justamente para isso, para sabermos do que se trata, para podermos enfrentar a coisa que tem um nome, uma definição, um tratamento adequado, uma medicação a ser prescrita ou nenhuma medicação que faça efeito. Por que é tão importante sabermos os diagnósticos dos males físicos e não é importante sabermos os diagnósticos dos problemas de ordem psicológica ou emocional? É por causa do preconceito ou da pouca experiência dos profissionais da área que ficam com receio de errar?

Enfim… Segue mais um desabafo e a notícia de que estou melhor.

Continuo em busca do rótulo. Mesmo porque não me arriscaria a beber o conteúdo de uma garrafa que viesse sem rótulo à minha mesa. Vocês se arriscariam?

4 comentários em “Para que servem os rótulos?”

  1. Oi, fia, tudo bom?
    Tenho transtorno bipolar (com alguns sintomas psicóticos) e personalidade borderline também e estou em tratamento há quatro anos. E ótima.
    Pelo que conheço dos seus sintomas, acho que apenas o transtorno bipolar já seria suficiente para causar o estrago que você está citando. Mas não sou médica. Apenas uma paciente que estuda tudo que pode, como você.
    Olha, vou dar minha opinião pessoal, tá? Acho que seu médico não tá de todo errado, não. Eu sei que a idéia de ciência e diagnóstico exato nos uma sensação muito grande de “tudo sob controle”, mas com as doenças da mente as coisas realmente não são tão exatas.
    Não, não existe um manual, nem um tratamento prescrito. Simplesmente NÃO EXISTE. Cada caso, em psiquiatria, é realmente um caso.
    O que quero dizer é: vamos supor que você tenha “apenas” transtorno bipolar, ok? Perfeito, temos uma classificação e um número no catálogo. Isso determina como será seu tratamento? NÃO. Porque o diagnóstico só diz que seu cérebro tem um mau funcionamento químico crônico, mas não qual a interação medicamentosa que vai te ajudar a resolver esse problema. Seu médico vai dar uma sugestão, vai acertar e errar, até chegar no equilíbrio certo para o seu caso. Porque o cérebro reage diferente, porque o organismo não dá uma resposta exata, porque alguns medicamentos que vão deixar seu cérebro tinindo podem causar efeitos colaterais que vão derrubar o seu corpo. Porque o tratamento vai mudar com o tempo. (Não vou te dar meu histórico todo que é muito chato, mas em 4 anos, seis medicamentos diferentes foram utilizados em combinações e doses diferentes.)
    Por outro lado, te deixar uma semana com sintomas que estão te incomodando profundamente sem nenhuma tentativa de medicação, sem nenhum esforço para diminuir seu desconforto me preocupa um pouco. Acho que se a sua relação com seu médico não é de cuidado e confiança, é hora de trocar de profissional. O meu tratamento deu certo, e muito, porque eu confiei no meu psiquiatra desde a primeira sessão, porque ficou claro que ele levava meu sofrimento a sério e se preocupava com o ser humano que eu sou, independente do valor da consulta.
    Te desejo muita sorte e estou aberta para trocar idéias se tiveres desejo disto. Abraço.

  2. Olá Samara!
    Que bom poder contar com você! Foi para isso mesmo que criei o blog.
    Pode me contar sim das suas coisas porque eu adoro ler! Li todos os seus comentários e vou responder em ordem a todos eles e a gente pode confabular…
    Fiquei pensando nisso que você falou sobre o tratamento, você tem toda razão, me lembrei que com a lamotrigina fiquei com o cérebro tinindo mas meu fígado começou a dar pane. Não tinha associado as coisas dessa maneira.
    Atualmente estou com uma psiquiatra em quem confiei desde o primeiro momento, apesar de ela parecer ter a idade da minha filha. Talvez por isso mesmo ela esteja mais atualizada em relação à psiquiatria em si, e também porque tem uma boa experiência no atendimento em emergências tanto na rede pública quanto em clínicas particulares. Foi uma pessoa que me olhou e me passou a sensação de que estava realmente me enxergando. Antes mesmo de prescrever medicação ela me fez sentir uma tranquilidade que havia dias eu não sentia, somente pelo fato de que ela estava me dando a atenção merecida, sabe?
    Você tem blog ou alguma coisa do tipo? Quero sim trocar idéias…
    Abraços!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s