Admonições

Admonições são aquelas frases que nós, com transtornos de humor, do afeto e/ou da personalidade, escutamos durante toda nossa infância e adolescência, os menos afortunados escutam por toda a vida adulta ou mesmo até a velhice. São reprimendas e advertências geralmente pronunciadas por nossos pais e avós.

Tenho uma amiga que diz que deveria existir uma habilitação para que as pessoas possam educar seus filhos, como quem tira a carteira de motorista. É que alguns pais não conseguem desempenhar seus papéis, não têm vocação para isso. Transformam as vidas de seus filhos em infernos. Cheias de admonições, assédios, torturas físicas e emocionais. Outra amiga me diz com frequência: mãe é boa, pena que demora a morrer. Infelizmente sabemos que nem depois de mortos os pais param de nos incomodar. São como assombrações! Ficam na lembrança, marcados a ferro e a fogo na camada mais profunda de nossa psique.

Para terminar esse post, seguem as admonições que formaram minha personalidade:

“Deixa de ser imprestável!”
“Agora eu quero ver se você vai conseguir resolver isso!”
“Não seja respondona!”
“Tira a mão daí!”
“Quem não deve, não teme.”
“Deus castiga!”
“Diz-me com quem andas e te direi quem és!”
“O peixe morre pela boca!”
“A curiosidade matou o gato!”
“Pau que nasce torto, morre torto!”
“Mentira tem perna curta!”
“A gente não pode fazer tudo o que quer.”
“Vai chorar lá longe!”
“Tá com o diabo no corpo?”
“Espera só o seu pai chegar…”
“Olha o que você me fez fazer!”
“Não sei de onde saiu esse seu cabelo de bombril!”
“Não me desminta!”
“Seu corpo vai ficar feio, você vai ficar acabada!”
“Tá gordinha, hein?”
“Primeiro a obrigação, depois a diversão!”
“Você está fazendo drama!”
“A verdade dói!”
“O sofrimento vai te fazer bem!”
“Olha que você vai acabar matando sua mãe de desgosto!”
“Eu me sacrifico tanto por sua causa!”

Poderia passar o dia dando mais exemplos. Mas confesso que me lembrando das cenas, fiquei enjoada. Vou ali vomitar e já volto!